segunda-feira, 12 de maio de 2014

japanese prints. [tradução]










(John Gould Fletcher / de Japanese Prints, 1918)

[clique para aumentar]

(2014)

* Poeta ligado ao Imagismo, John Gould Fletcher buscou, nesses Japanese Prints, produzir em língua inglesa os chamados hokkus (transliteração da palavra japonesa, que em português adquiriu a grafia "haikai" e, após a queda do K na reforma ortográfica de 1943, "haicai"). Os haicais tradicionais adotam um esquema de três versos com 5 - 7 - 5 sílabas, respectivamente, e possuem ao menos uma palavra que aluda a uma estação do ano. No caso de Fletcher, a forma japonesa foi flexibilizada, assim como ocorreu no Brasil, com o trabalho de Paulo Leminski e Alice Ruiz. Na introdução ao livro, o autor diz que "não se pode escrever bons haicais em inglês. O que temos de seguir não é a forma, mas o espírito". Nessa tentativa, diz que os seus poemas "compartilham ao menos uma característica com a poesia japonesa, que é exaltar os assuntos mais triviais através da significação universal dos trabalhos artísticos".

** Sobre as traduções: eu e Lucas Zaparolli de Augustini traduzimos os 66 poemas do livro. Apresentamos, aqui, 8 traduções. Em "uma mulher bela", optamos por "anseio" em vez de "desejo", pois "ansiar" implica certa angústia, diferente do "desejo", que em alguns casos pode ser concretizado assim que surge, sem aflição. Já em "as poetas celestiais", o termo "close around" foi traduzido como "se fecham", opção que me pareceu mais próxima do sentido original, que é aproximadamente a ideia de "cercar". Em "as nuvens" há o phrasal verb "dragging up", que se refere a falar sobre algo desagradável que ocorreu no passado; optamos por "evocar", que mantém a ideia de trazer algo à tona.

*** há edição ilustrada oferecida pelo Projeto Gutenberg. 

quinta-feira, 8 de maio de 2014

hist whist. [tradução]


(E. E. Cummings / de Tulips & Chimneys, 1923)

[clique aqui para aumentar]

(2014)

* uma das chansons innocentes não tão inocentes do livro Tulips & Chimneys. alude ao universo do Halloween. há uma edição ilustrada por Deborah Kogan Ray; há um vídeo que traz o poema e suas ilustrações. algumas musicalizações do poema: 1  & 2
** sobre a tradução: "hist" e "whisp" como pedidos de silêncio. twinle-toe passa a noção de ter pés ágeis. "hob-a-nob" tem o sentido de uma saudação comemorativa por se estar em boa companhia, mas as soluções tradutórias "viva" e "salve" me pareceram muito solares para o texto, daí a opção pelo incentivo "vamos", que também reforça a necessidade de fuga, que permeia o poema. "whisk", que pode ter o sentido de "mover-se rapidademente", traduzi como "foge",  no imperativo; a segunda pessoa do singular volta a aparecer na tradução de "yer" como "te", pois assim me soou melhor.